A petição, destinada ao CNJ, foi assinada pela defensora pública-geral e presidente do Colégio Nacional dos Defensores Públicos Gerais, Maria de Nápolis, e pelo presidente do CNCG, Marcus Edson de Lima. 

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deferiu o pedido do Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (CONDEGE) e do Conselho Nacional de Corregedores Gerais das Defensorias Públicas Estaduais, do Distrito Federal e da União (CNCG) de ingresso como amici curiae em processo de ato normativo no qual se discute a possibilidade de os Tribunais de Justiça e os Tribunais Regionais Federais adotarem procedimentos para o uso de videoconferência na realização das sessões de julgamento pelo Tribunal do Júri, em razão das contingências geradas pela pandemia da COVID-19 que restringe a circulação e aglomeração de pessoas.

A petição foi assinada pela defensora pública-geral e presidente do Condege, Maria de Nápolis, e pelo presidente do CNCG, Marcus Edson de Lima. No documento, foi destacado que o tema debatido gera repercussões extremamente relevantes na sociedade. Dessa forma, o Condege e o CNCG posicionaram-se com prudência sobre a possibilidade do uso de sessões por videoconferência, ressaltando que o procedimento presencial já enseja inúmeras situações imprevisíveis e que podem gerar nulidade. Portanto, a nova experiência por meio virtual, considerando a complexidade do procedimento do Júri, tenderia a ser ainda mais vulnerável a problemas. 

“Quanto à plenitude de defesa, é certo que o fato de o defensor não permanecer ao lado do acusado durante o julgamento trará dificuldades para o diálogo entre defensor e réu. É certo que o diálogo entre ambos perdura durante toda a sessão plenária e não está limitado à entrevista anterior ao início dos trabalhos ou ao pré-interrogatório. É comum durante o depoimento das testemunhas que o réu sugira perguntas a serem realizadas pelo defensor, as quais muitas vezes se mostram relevantíssimas para a elucidação do fato. O distanciamento ocasionado pela sessão virtual impediria estes diálogos frequentes, trazendo enormes prejuízos. Vale ressaltar que muitas dúvidas sobre o processo são elucidadas pelo defensor durante a sessão plenária neste contato permanente com o réu. A sessão virtual não permitirá que durante a inquirição de uma testemunha haja este tipo de conversa.”

Morgana Nathany, da Assessoria de Comunicação

Quem somos

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (Condege) congrega Defensores-Gerais de todos os Estados do Brasil, do Distrito Federal, além de representantes de associações nacionais de Defensores Públicos.
SIA Sul Trecho 17, Rua 07, Lote 45, 3º Andar, Sala 301, Bairro Zona Industrial, Cidade Guará, Brasília/DF
(61) 2196-4304 / (61) 2196-4300
presidencia@condege.org.br

Assessoria

Gabinete da Presidência
E-mail:  presidencia@condege.org.br
Telefones: (61) 2196-4304 | 2196-4300
Whatsapp: (61) 98349-5546

Assessoria de Comunicação
E-mail: comunicacao@defensoria.df.gov.br
Telefone: (61) 2196-4323 | 2196-4324
Celular: (61) 99828-6632

 

Newsletter

Assine para receber nossas últimas novidades!