A Defensoria Pública de SP realizou no último final de semana sua VII Conferência Estadual – etapa que integra seu Ciclo de Conferências Públicas.  Na sexta-feira (28) foi promovida a cerimônia de abertura do evento e no sábado (29), Delegadas e Delegados eleitos durante as Pré-Conferências Regionais foram divididos em 9 grupos temáticos para discussão e, na sequência, realização de uma plenária final para análise e voto de propostas.

Integraram a mesa de abertura o Presidente do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege), José Fabrício Silva de Lima; o Defensor-Geral do Estado de São Paulo, Davi Depiné, a Defensora Coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres, Paula Sant Anna Machado de Souza; a Defensora integrante do Conselho Superior, Carolina Rangel Nogueira; o Deputado Federal General Peternelli; o representante da Seccional da OAB-SP, Marco Cear Gussoni; o representante da Artigo 19 e integrante do Conselho Consultivo Ouvidoria, Camila Marques; a representante da Associação Mais Diferenças e integrante do Conselho Consultivo Ouvidoria, Carla Mauch; e a representante da Sociedade Civil na Comissão Organizadora, Geni da Fonseca Monteiro.

Previsto para ocorrer a cada dois anos, o Ciclo de Conferências tem o objetivo de identificar as principais demandas da sociedade civil e abrir espaço para que a população participe da elaboração dos parâmetros que irão orientar o Plano Anual de Atuação da instituição. A iniciativa permite que cidadãos e cidadãs participem das diretrizes institucionais, do acompanhamento e da fiscalização das ações e projetos desenvolvidos pela Defensoria.

O Defensor Público-Geral, Davi Depiné, relembrou a primeira edição do Ciclo de Conferências, apontando que a Defensoria era recém criada quando o evento foi promovido. “O primeiro Ciclo de Conferências aconteceu em 2007 – passados 13 anos desde então, percebemos que a Defensoria está no caminho certo, sobretudo em razão da participação da população, que é a essência e a alma da instituição”, disse. O Defensor Geral também destacou que a simbiose entre Defensoria Pública e movimentos sociais é indispensável para que a instituição continue percorrendo o seu caminho de garantir o acesso à justiça, garantido cada vez mais a proximidade com a população que a procura e que depende de seus serviços. Por fim, agradeceu a presença de todos e todas e disse esperar que o Ciclo de Conferências permite que a Defensoria Pública fique ainda mais atenta às demandas da população mais pobre do Estado.

Também durante a solenidade de abertura, o Ouvidor-Geral da Defensoria, Willian Fernandes, parabenizou o Defensor-Geral, apontando que ele não tem economizado esforços no sentido de implementar e aprimorar mecanismos de participação social na instituição – como o Ciclo de Conferências e o Momento Aberto no Conselho Superior. Willian Fernandes destacou a efetividade desses espaços e apontou que três Núcleos temáticos são frutos de propostas aprovadas durante o Ciclo de Conferências.

Ele também era Ouvidor-Geral quando da realização do primeiro Ciclo de Conferências, em 2007, e destacou a evolução do evento. “Desde 2007 houve um processo de aprimoramento desse espaço que tornou o Ciclo de Conferências da Defensoria Pública em um dos melhores espaços de participação social. A Defensoria Pública está de parabéns pela evolução, mas uma grande parcela desse processo se deve à participação de cada Delegado e Delegada no evento”, disse.

Discussão das propostas

No sábado (11), Delegados e Delegadas eleitos/as em cada Pré-Conferência foram divididos em 9 grupos temáticos: Cidadania e Direitos Humanos e Meio Ambiente; Defesa da Diversidade e da Igualdade Racial; Direitos do Consumidor; Direitos do Idoso e da Pessoa com Deficiência; Habitação, Urbanismo e Conflitos Agrários; Infância e Juventude; Política de Atendimento e Educação em Direitos; Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher; e Situação Carcerária.

Olga Quiroga - ou Dona Olga, como é conhecida - de 83 anos, foi, pela sétima vez, uma das Delegadas eleitas para participar da Conferência. Participante do grupo de trabalho que discutiu propostas na área dos Direitos dos Idosos e Pessoas com Deficiência, se surpreendeu com a quantidade de pessoas novas participando das conferências, o que, a seu ver, é bastante positivo. "É muito importante que as pessoas que precisam de determinados serviços lutem para consegui-los. E aqui nas Conferências da Defensoria a gente tem oportunidade de apresentar e discutir propostas para melhorar esses serviços".

A assistente social Pâmmella Barbosa Galdino foi uma das Delegadas eleitas pela Regional de São José do Rio Preto e participou do grupo de trabalho que discutiu Diversidade e Igualdade Racial. Disse que as propostas vindas das Pré-Conferências eram muito boas e lamentou não ser possível aprovar todas. "Seria interessante que a gente pudesse aglutinar algumas propostas, para que elas fossem mais amplas e a para que a gente conseguisse contemplar mais assuntos nas discussões". Ela também elogiou a iniciativa da Defensoria Pública de estar próxima da população, através das Conferências. "É importante a Defensoria dar voz à população mais excluída e vulnerável, o que não ocorre nas demais instituições do sistema de Justiça”.

Também integrante deste grupo a administradora pública Mayana Morais da Cruz, eleita pela Regional de Jundiaí, elogiou a diversidade dos/as participantes da Conferência. “É muito rico conversar com pessoas de realidades diferentes, mas com o mesmo objetivo”. Renan Salviano é advogado e veio de Araçatuba para participar do evento. Ele disse ter ficado satisfeito com a qualidade das propostas formuladas no grupo de Diversidade e Igualdade Racial. "As pessoas que participaram são bastante competente e têm bastante conhecimento. A gente acaba aprendendo muito com as discussões do grupo".

Thabada Luz, cientista social, eleita Delegada pela Regional de Marília, escolheu o grupo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher: “A Conferência é um espaço muito democrático, em que podemos conversar abertamente sobre todos os assuntos. A Defensoria Pública, dentro do Judiciário, é o órgão capaz de trazer reflexões sobre a defesa dos direitos da mulher”, afirmou.

A professora Laís da Silva, Delegada pela Regional de Araçatuba, ficou satisfeita com o engajamento de Delegados e Delegadas “Todas as pessoas aqui na Conferência estão realmente muito preocupadas em lutar para manter os seus direitos”. Ela disse que é muito importante a Defensoria Pública continuar realizando atividades para conscientizar as pessoas sobre seus direitos.

Elício Peralta é integrante de uma comunidade indígena na região do Vale do Paraíba e, junto com Laís, também participou do grupo de Políticas de Atendimento e Educação em Direitos. Para ele, é importante a Defensoria Pública atuar em favor das comunidades tradicionais.

Após as discussões nos grupos, uma plenária final foi realizada para análise e voto das propostas – 30 foram eleitas e serão encaminhadas para o Conselho Superior da instituição, responsável por incorporá-las ao Plano de Atuação da Defensoria. 

Quem somos

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (Condege) congrega Defensores-Gerais de todos os Estados do Brasil, do Distrito Federal, além de representantes de associações nacionais de Defensores Públicos.
SIA Sul Trecho 17, Rua 07, Lote 45, 3º Andar, Sala 301, Bairro Zona Industrial, Cidade Guará, Brasília/DF
(61) 2196-4304 / (61) 2196-4300
presidencia@condege.org.br

Assessoria

Gabinete da Presidência
E-mail:  presidencia@condege.org.br
Telefones: (61) 2196-4304 | 2196-4300
Whatsapp: (61) 98349-5546

Assessoria de Comunicação
E-mail: comunicacao@defensoria.df.gov.br
Telefone: (61) 2196-4323 | 2196-4324
Celular: (61) 99828-6632

 

Newsletter

Assine para receber nossas últimas novidades!