O acórdão prevê que Defensores Públicos atuem como “Defensores da Criança”, de maneira que assegure a este sujeito de direitos defesa técnica de seus interesses  somando ao  trabalho exercido pelo Ministério Público.

No dia 4 de março (4/3), a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais acatou pedido da Defensoria Pública de Minas Gerais , representada pela Defensora Eden Matar, para intervir no processo como “Defensora da Criança”. Esta decisão surge do entendimento de que não há substituição do Ministério Público no processo e sim a atuação da Defensoria Pública de maneira autônoma e paralela ao exercício do Ministério Público.

Em decisão inédita, acórdão da Justiça mineira,  prevê que a atuação da Defensoria Pública, como “Defensor da Criança” ,  é possível e adequada quando crianças e adolescentes são sujeitos de direitos, partes interessadas no processo e não meros “destinatários da decisão judicial”, como no caso da aplicação de medidas protetivas. A decisão da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais ocorreu de uma ação onde determinada busca e apreensão de duas crianças em possível situação de vulnerabilidade no seu núcleo familiar, situação onde existente possível conflito de interesses entre as partes do processo .

Conforme o procedimento padrão, o Ministério Público exerceria a curadoria exclusiva dos interesses das crianças em tais processos, com este fundamento houve recurso do órgão ,  porém, o pedido da Defensora para representar os direitos das crianças não foi como curadora de interesses , mas sim como Defensora dos interesses concretos das crianças partes interessadas naquele feito, enquanto sujeitos de direitos , e destinatárias da medida protetiva , o  que gerou a discussão da possibilidade de atuação  conjunta .  

De acordo com a Lei Complementar n.º 80/94 e,  Constituição Federal/88, os defensores públicos devem agir na promoção e  em defesa dos direitos individuais e coletivos da criança e/ou adolescente. Isto é, a atuação como “Defensor da Criança”, esta respaldada na norma, no dever legal de assegurar a crianças e adolescentes direito de acesso a justiça e defesa técnica , de forma integralmente protegida e com prioridade absoluta , previsão estampada não só na LC 80 e na CF, mas também  no  art. 12 da Convenção sobre os Direitos da Criança, Estatuto da Criança e do Adolescente arts.  3º,34º,88º,141º,206º, Resolução 299 do CNJ, provimento 32 do CNJ, Resolução 113 do Conanda, Pacto Nacional pela Primeira Infância, Carta de Estratégia de Proteção de Crianças e Adolescentes, entre outras.. Assim, a Justiça definiu que a intervenção de Defensores Públicos  nestes casos tem amparo legal, já que atuam na garantia  dos direitos de criança e adolescente. No entanto, a decisão não exige obrigatoriedade de um defensor em todos os processos similares, devendo a atuação partir da constatação da necessidade e/ou à pedido do Ministério Público ou determinação do juiz .

Durante o seu voto, o Desembargador Moacyr Lobato considera que “Ao decidir sobre questões relativas aos direitos das crianças e adolescentes, sujeitos de direito com tratamento especial dada à condição peculiar de pessoas em desenvolvimento, deve o julgador pautar-se pela necessidade e urgência de se garantir máxima efetividade aos princípios institucionais".

Ou seja, a decisão reconhece que a atuação da Defensoria Pública garante à criança que seus direitos fundamentais sejam respeitados e assegurados,   atendidos com  assistência técnica adequada, pelo seu Defensor, o Defensor da Criança, respeitando as condições de vulnerabilidade  naturais do desenvolvimento incompleto  e a urgência em garantir amparo e recursos para defesa plena de direitos .

A decisão do Tribunal de Justiça Mineiro, portanto,  assegura  a possibilidade da representação conjunta do Ministério Público e da Defensoria Pública a crianças e adolescentes enquanto sujeitos de direitos. Também afirma, que não há conflito de interesses entre as partes, o juiz Roberto Apolinário entende que "a Defensoria apenas é um ente a mais, ela não substitui o MP". Desse modo, a admissão da Defensoria como Defensor da Criança , oportunizando e proporcionando assistência jurídica qualificada,  assegura direitos e é  medida que garante proteção de crianças e  adolescentes.

 

Larissa Costa Silva

Assessoria de Comunicação

Quem somos

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (Condege) congrega Defensores-Gerais de todos os Estados do Brasil, do Distrito Federal, além de representantes de associações nacionais de Defensores Públicos.
SIA Sul Trecho 17, Rua 07, Lote 45, 3º Andar, Sala 301, Bairro Zona Industrial, Cidade Guará, Brasília/DF
(61) 2196-4457
presidencia@condege.org.br

Assessoria

Gabinete da Presidência
E-mail:  presidencia@condege.org.br
Telefones: (61) 2196-4457
Whatsapp: (61) 98349-5546

Assessoria de Comunicação
E-mail: comunicacao@defensoria.df.gov.br
Telefone: (61) 2196-4323 | 2196-4324
Celular: (61) 99828-6632

 

Newsletter

Assine para receber nossas últimas novidades!